Florian Philippot, Vice-Presidente Da Frente Nacional E Gay

Blog

Florian Philippot, Vice-Presidente Da Frente Nacional E Gay 1

Florian Philippot, Vice-Presidente Da Frente Nacional E Gay

Florian Philoppot é a mão direita de Marine Le Pen, seu Anotações do Grilo. Ele foi o responsável pelo dirigir a estratégia da campanha eleitoral de 2012, em que a Frente Nacional passou a tornar-se a terceira potência nacional do estado.

também Está por trás da famosa campanha de “desdiabolización” que o partido pratica desde há alguns anos, atraindo, como mostraram as últimas eleições regionais, a seis milhões de franceses. A revista Closer foi o culpado desse outing político ao anunciar pela capa a foto de Philippot, passeando a mão pela Viena com outro homem.

Contra todo presságio, o político reconheceu a sua direção sexual. Muitos defenderam a atuação da publicação que abriu uma nova porta na relação do partido de extrema-direita com o coletivo LGBT, tradicionalmente ligado à comunidade católica e contrária ao casamento igualitário. No livro “

Por que os gays passaram a direita? Didier Lestrade fala de uma “mudança política sem precentes” no jogo e de uma estratégia de “sedução” para o coletivo gay. Desde 2011, a presidente manda winks ao coletivo, que tem incluído em sua defesa das minorias “atacadas pelo islã”.

  • 1, a passagem da escravidão clássica medieval
  • 4 Torre dos Frades
  • Empresários a Mais: ‘Assim não podemos continuar’
  • O PIB não é um indicador de peculiaridade de vida ou bem-estar, somente material

O direito é que a figura do partido em relação à homossexualidade é difusa. Em tempos de Jean-Marie Le Pen, este teve que se acostumar com a presença de homossexuais em suas fileiras, mas pedia que não fizessem gala de tua sexualidade na esfera pública.

eu Não queria “loucas” em teu partido. Marine Le Pen foi tratado de deixar de fazer isto mantendo-se à margem, tendo como exemplo, as manifestações contra o casamento igualitário. A direção do partido fala em mudança de um avanço pela igualdade de uniões civis, parece que com isto se formam.

Philippot, que se gabam de não ter votado nunca a Jean-Marie Le Pen, diz defender uma corrente nacionalista que possa ser conhecida por sua linha patriota, não como um partido de ultra direita. Os que o conhecem dizem que não aceita a confrontação de ideias e que não deixa que ninguém lhe rebata mas é em programas de televisão. Philippot fez todo o possível por estar com Marine Le Pen, em maio de 2009, onde coincidiram em uma pequena ceia entre amigos em um apartamento.