O Matará A Inteligência Artificial Do ‘call Center’?

Blog

O Matará A Inteligência Artificial Do 'call Center'? 1

O Matará A Inteligência Artificial Do ‘call Center’?

Em 1980, The Buggles levaram o top hit da música Video Killed the Radio Star, uma premonição feita realidade. Hoje, quase quarenta anos depois e sem música ainda, queremos antecipar que IA (inteligência artificial) killed the habitual call center star.

O desenvolvimento do intelligence experience center (IExC) -o call center do futuro que usa recursos digitais potencializado pelo IA – transformar o paradigma habitual de call center ao combinar inteligência artificial e a empatia humana. Um centro que tem como propósito dar uma experiência inteligente e de grande valor pros seus usuários, com custos altamente competitivos. Como atingir esta nova experiência pros compradores/usuários, ao mesmo tempo que melhoram o reconhecimento e valorização das marcas, esquecendo-se da frustração produzida na atenção automatizada (VRU) ou atendida por agentes não são voltados pra experiência de consumo?

Quatro serão as chaves deste intelligence experience center: a linguagem, a hiperpersonalización, a eficiência e a empatia. A hiperpersonalización: pela utilização de big data e observação preditiva, estes agentes virtuais conseguem antecipar dificuldades, necessidades ou consultas potenciais usuários, uma vez que dispõem de mecanismos de recomendação de soluções baseados em machine learning. Mas também são capazes de propor e aconselhá-lo de modo personalizada, a partir de um padrão de hiperpersonalización bem mais próximo que o contato com os agentes do modelo de call center atual. A eficácia: um dos elementos que motivam grande quota da frustração das interações é a emoção do usuário da impossibilidade, em muitas ocasiões, de completar com sucesso o seu pedido numa única interlocução.

  • Suporte pra cartuchos usando o modelo de Atari em formatos de 2K e 4K
  • 40 milhões de euros
  • Roubo de detalhes: senhas, usuários, e outros tipos de dados pessoais ou corporativos
  • Messi: “Meu propósito é obter tudo”
  • São aditadas as janelas
  • três Indústria 2.3.Um IBM

Obrigado a robotização (RPA) de atividades, a resolução de interações estará automatizada, enriquecendo o agente na sua tramitação, seja no front ou back-office-. Para isso, será obrigatório o desenvolvimento de um novo paradigma de integração com os sistemas transacionais e legacy das corporações, por intermédio da apificación de vários de seus serviços. Com o devido treinamento, os assistentes virtuais e motores de recomendação serão capazes de definir automaticamente uma extenso parte dessas transações. A empatia: neste novo intelligence experience center o ser humano importa e muito. Este novo IExC não estará vago de seres humanos, como prevêem alguns, mas que será gerido e operado por agentes de alto valor, tema e geração (linguistas, cientistas de detalhes, formadores de bots, etc).

Serão menos em número, sim, contudo com melhor remuneração. Libertos da carga transacional repetitiva e a dificuldade operacional das tramitações, são capazes de concentrar toda a tua atenção no desenvolvimento avançado do relacionamento e da fidelização dos clientes.

A especialização atual nas aplicações ou as transações dará local a um novo perfil de agente, em que a empatia é a capacidade mais valorizada. Não há que esquecer que estas algumas tecnologias não apenas permitem melhorar a esses quatro aspectos, porém que abrirão a porta pra um enorme número de novos potenciais serviços a todo o tipo de consumidores.