Vai Crescer A Economia, Mas Não O Investimento

Blog

Vai Crescer A Economia, Mas Não O Investimento 1

Vai Crescer A Economia, Mas Não O Investimento

A marcha ascendente que levava a economia se está a travar. Sobretudo na zona euro. Não se trata de uma estagnação, porém quase. Mario Draghi, atento como sempre, a realidade imediata e futura, garantiu que as taxas de juro mantêm-se em 0 %. Ademais, divulgou uma nova série de empréstimos supermilionários para a banca. A escola que preside Bce pretende confirmar que o crédito possa fluir sem dificuldades para as empresas e as famílias.

sendo assim, o BCE pretende atiçar a actividade económica pra combater as ameaças graves que prejudicam o crescimento e o emprego. Não obstante, o que isto escreve acredita que estamos numa nova época da estagnação secular que Larry Summers previu que ocorreria a nível mundial. Embora as taxas de juros são mantidas em 0 %, o investimento privado pode não aparecer, devido à preferência pela liquidez: os potenciais investidores preferem ter o dinheiro em bancos e não se arriscar a investir. Keynes foi o que cunhou o termo de preferência pela liquidez. Assim, a economia vai desenvolver-se, porém não o investimento. Sem investimento não haverá avanço e formação de emprego. Portanto, a consequência de tudo isto será a estagnação, que por sua insistência no tempo, queremos fazer a ligação secular. Infelizmente, Larry Summers tinha razão.

  1. Um Primeiros anos 1.Um Lingüística e etnografia
  2. 3 Praças e Jardins
  3. 4 A Segunda República (1931-1936) e a Guerra Civil (1936-1939)
  4. México / Compra de acções do Real Oviedo
  5. dez h Pujol, a Turull: “Você e nós vamos estar por aqui pra fazê-lo presidente”
  6. 3 Arts & Crafts

O United States Geological Survey (USGS), estimou-se que há petróleo bastante pra continuar com os níveis de colheita atuais há cinquenta ou 100 anos. Campbel argumenta que as estimativas do USGS são metodologicamente erradas. Um problema é que os países da OPEP sobreestiman tuas reservas para comprar taxas mais elevadas para impedir as críticas internas.

Também, o desenvolvimento económico e demográfico deveriam dirigir a um acréscimo do consumo futuro de energia. Quando começaram as extrações de petróleo em meados do século XIX, os inúmeros campos petrolíferos entre 50 barris por cada barril usado pela extração, transporte e refino. Este índice é denominado como taxa de regresso energético (em inglês Energy Return on Energy Invested, ou simplesmente Energy Return on Investment, o que é popular por suas siglas EROEI ou EROI).

Este índice foi perdendo eficiência ao longo do tempo à proporção que se exploram jazidas cada vez mais inacessíveis: na atualidade são recuperados entre um e cinco barris de crude por cada barril usado no recurso. A razão de esses rendimentos decrescentes é que, à medida que seca em um poço, o petróleo, este é mais complexo de retirar de cada vez. Essa diminuição da eficiência na extração permanecerá até que, chegado a um ponto, por cada barril investido pela extração só se obtenha outro barril.

nesse instante, o petróleo neste instante não poderá ser usado como maneira de energia primária. A energia que se usa para tirar poderia vir de fontes de energia alternativa. Nem todas as referências de energia podem ser confortavelmente armazenadas. Devido à alta densidade de energia e a relativa segurança da gasolina à temperatura e pressão ambientes, esse produto é indispensável pro transporte de energia.